Moeda falsa, como ver se sua cédula de dólar é verdadeira

Nota de 100 dólares com uma placa vermelha, onde está escrita a palavra "Fake", colocada sobre o retrato de Benjamin Franklin.

Confira um checklist para saber se sua nota de dólar é verdadeira e o que fazer caso contrário!

A compra de dólares é um procedimento feito por pessoas que desejam viajar para os Estados Unidos ou outros países e trocá-la pela moeda local quando chegar, ou para fins de investimento, mas você sabe identificar uma moeda falsa?

Infelizmente, essa é uma situação mais comum do que pode parecer e, por isso, é fundamental saber quais são os cuidados necessários para lidar com ela da melhor maneira possível.

Confira alguns pontos que devem ser analisados para identificar dólares falsos e evitar que eles se mantenham em circulação, bem como o que deve ser feito caso você tenha alguma dessas notas em mãos.

Quanto dos dólares em circulação atualmente se tratam de uma moeda falsa?

Aproximadamente 0,01%. De acordo com o Departamento de Tesouro dos Estados Unidos, estima-se que US$ 70 milhões de dólares em notas falsas estão em circulação, aproximadamente uma a cada 10.000 legítimas.

O número pode não parecer tão significativo devido à sua porcentagem, mas chama a atenção. Ao considerar a quantidade de dinheiro que é manipulada por um banco, por exemplo, ter uma nota falsa a cada 10.000 é muita coisa.

Porém, ainda que haja essa estimativa a respeito da moeda falsa, é impossível saber exatamente qual é a sua proporção em relação às moedas verdadeiras, a qual pode ser ainda maior, já que muitas delas podem continuar em circulação por um bom tempo.

O resultado da circulação de moedas falsas é mais prejudicial do que pode parecer. Ainda que aumente a oferta de dinheiro no mercado, a prática leva à inflação, tráfico de dinheiro e prejuízo a todos os setores do mercado.

A prática é tão comum que as notas falsas de US$ 100 levaram o apelido de “Superdollar”. A cópia é de tamanha qualidade que sua identificação é difícil, até mesmo por pessoas que sejam experientes no assunto.

É importante ressaltar que a prática da moeda falsa não é algo atual, mas existe praticamente desde quando se começou a usar dinheiro no mercado. Mesmo antes da introdução das notas em papel, moedas falsas eram feitas com a mistura de metais base com ouro e prata.

Inclusive, houve uma ocorrência do tipo durante a Segunda Guerra Mundial, chamada de “Operação Bernhard”, onde a Alemanha Nazista forjou notas britânicas para desestabilizar sua economia.

As cópias eram de alta qualidade, já que os alemães conseguiram copiar o material usado nas notas (“rag paper”, ou papel de algodão), além de terem deduzido o algoritmo usado para criar códigos alfanuméricos de série em cada nota.

Isso mostra que a produção de moeda falsa não é uma exclusividade do mundo moderno e que sua realização pode trazer sérias consequências a economia de um país.

Como identificar dólares falsos?

Duas notas de dólar sendo seguradas por duas mãos. Uma nota está acima da outra, e a primeira é uma nota verdadeira, graças à coloração e à presença da marca d'água com o retrato de Benjamin Franklin, entre outros detalhes. A nota de baixo é falsificada, tanto pela cor mais azulada e sem vida quanto pela ausência de autenticidade nos detalhes.

Basicamente, é possível identificar se uma moeda é falsa ou não através de suas características físicas, visuais e de segurança.

O processo é um pouco complicado e demanda algum treinamento, mas pode ser considerado como uma das melhores dicas de viagem ou mesmo para investimento, já que ajuda a evitar surpresas desagradáveis.

Características físicas

As notas legítimas não são feitas de papel, mas sim de algodão e fibras de linho, o que aumenta sua durabilidade. Esse material tem um toque diferente do papel convencional.

Ainda que esse material não seja comercializado por razões óbvias, é fácil distinguir sua diferença ao comparar uma nota legítima com uma falsa.

Outras características notáveis na moeda falsa são a falta de relevo na impressão e os pequenos detalhes táteis no retrato, que podem ser identificados ao passar levemente a unha.

Também destacam-se a menor espessura das notas reais e a coloração, que pode variar entre as legítimas e as falsas.

Características visuais

A qualidade de impressão das notas legítimas e altíssima e muito difícil de se alcançar no processo de produção da moeda falsa, já que não se baseia no sistema offset convencional, como o usado na impressão de documentos e outros materiais.

O papel original tem pequenas fibras vermelhas e azuis ao redor de toda a sua extensão, similar ao que se vê nas fibras de papel reciclado. Se elas parecerem impressas ou desenhadas, esse pode ser um sinal de dinheiro falso.

Todos os detalhes visuais devem ser impressos de maneira impecável, desde os retratos até os contornos do papel e as letras e números apresentadas em sua extensão.

Os números de série que ficam dos dois lados do retrato devem ser os mesmos. Caso contrário, essa pode ser considerada uma moeda falsa. Além disso, caso tenha recebido uma grande quantidade de dinheiro e suspeite que é falso, analise os números de série e veja se eles se repetem.

Características de segurança

Alguns itens de segurança estão presentes nas notas verdadeiras, o que é difícil de replicar naquelas que são falsas, dada sua riqueza de detalhes e os materiais desconhecidos que são aplicados.

Todas as notas, com exceção das de US$ 1 e US$ 2, apresentam uma fita plástica que pode ser vista quando colocada contra a luz, a qual não é impressa.

Além disso, quando colocadas contra a luz negra, as fitas de segurança devem refletir uma cor diferente: azul nas de US$ 5, laranja nas de US$ 10, verde nas de US$ 20, amarelo nas de US$ 50 e rosa nas de US$ 100, o que não acontece na moeda falsa.

O rosto do retrato deve aparecer como marca d’água ao redor da nota, o qual pode ser visto contra a luz natural. Isso aparece nas notas de US$ 10, US$ 20, US$ 50 e US$ 100 a partir de 1996 e nas de US$ 5 a partir de 1999.

Além disso, as notas contam com microimpressões dispostas em toda a sua extensão. Seu conteúdo e localização variam, mas as notas falsas não costumam apresentar nenhuma delas dada a altíssima qualidade de impressão necessária para replicá-las.

O que fazer ao se deparar com uma nota falsa?

Algumas medidas podem ser tomadas para possibilitar a descoberta de quem a produziu. Por isso, o ideal é procurar as autoridades responsáveis, como a polícia do local em que estiver ou o Serviço Secreto dos Estados Unidos.

Guarde a nota em um envelope e tente não manuseá-la, de modo que seja possível identificar detalhes como impressões digitais de quem a tenha manipulado.

Anote seu nome e a data no envelope e entregue-o às autoridades, mediante o preenchimento de um relatório de falsificação do Serviço Secreto. Ainda assim, é importante ressaltar que, como medida de segurança, o valor não lhe será reembolsado.

Se você sabe como funciona uma casa de câmbio verdadeira, entende que os trâmites burocráticos que elas devem atender são muitos e que, consequentemente, as chances de lidar com notas falsas são muito pequenas. Por isso, sempre conte com os serviços desses estabelecimentos.

Evite passar por problemas com moeda falsa!

Close do retrato de Benjamin Franklin, que aparece na nota de 100 dólares americanos,

Se você quer viajar para algum lugar no exterior ou mesmo vender dinheiro que tenha sobrado de uma viagem, é vital atentar-se a esses detalhes, de modo a não ter que lidar com um grande problema.

Uma boa dica é verificar tais detalhes logo quando receber a nota. Assim, se ela aparentar ser falsa, você pode solicitar sua substituição na hora e, assim, não ter prejuízos.

Agora que você já sabe o que pode ser feito para identificar uma moeda falsa, atente-se a cada detalhe na hora de comprar dólar e não tenha que passar por esse tipo de problema!

Leia também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *